Quitar financiamento com o crédito de consórcio

Um dos momentos mais aguardados pelos consorciados é a contemplação, é claro. É quando o desejo de adquirir o bem ou contratar o serviço fica próximo de ser realizado. Porém, existem outras opções para usar o valor da carta de crédito, e quitar um financiamento pode ser uma boa alternativa. Veja como você poder fazer isso abaixo: 

REGULAMENTAÇÃO

A operação é mais simples do que parece e é regulamentada pelo Banco Central. A Lei dos Consórcios, que vigora desde 2009, permite a utilização da carta de crédito para quitação do financiamento feito para a compra de um bem em nome do consorciado. Considerando isso, assim que for contemplado, seja por lance ou sorteio, o consumidor pode usar o crédito para quitar o financiamento, desde que seja de um mesmo tipo de bem ou serviço do consórcio. Ou seja, uma carta de crédito de um automóvel não pode ser usada para quitar o financiamento de uma casa.

Para consorciados de imóveis por exemplo, há a possibilidade de usar o valor da contemplação para pôr fim ao financiamento imobiliário, apresentando a carta de crédito à instituição na qual mantém o financiamento, como bancos, por exemplo. Assim, você para de pagar o financiamento e continua pagando apenas as parcelas do consórcio, que geralmente são menores por serem livres de taxas como juros e IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

REGRAS

Há outra regra que precisa ser respeitada para tornar esse procedimento viável: só é permitido seguir com essa estratégia se o valor da carta de crédito for igual ou maior do que o saldo devedor do financiamento. Se a carta de crédito for de valor menor que a dívida, não há a possibilidade de quitação.

Por exemplo, se sua carta de crédito contemplada é de R$ 400 mil e sua dívida do financiamento é de R$ 350 mil, você poderá quitar a dívida com os R$ 400 mil e ainda ficar com R$ 50 mil de saldo. Uma boa dica é utilizar esse valor restante para pagar os custos com a documentação do imóvel, como a escritura pública, registro e ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis), que varia entre 2% e 3% sobre o valor do bem.

VANTAGENS DO CONSÓRCIO DE IMÓVEIS

Se você está pensando em adquirir a casa própria, mas tem dúvida se vale mais a pena fazer um financiamento ou aderir a um grupo de consórcio, o Blog da Coopercred Brasil pode te ajudar aqui. Mas aproveitamos a oportunidade para listar abaixo algumas vantagens de realizar um consórcio de imóveis:

  • Compra programada
  • Parcelas mais baratas, sem juros, IOF e necessidade de entrada
  • Mais facilidade para aprovação do crédito
  • Possibilidade de escolher planos que cabem no seu bolso
  • Possibilidade de reduzir, antecipar ou quitar parcelas a qualquer momento
  • Possibilidade de usar o FGTS como lance

Consórcio de máquinas agrícolas cresce 67% em 4 anos

consórcio de máquinas agrícolas teve crescimento de 67% no total de participantes de março de 2015 até maio de 2019. Foi o que constatou levantamento realizado pela assessoria econômica da ABAC, em maio. Conheça!

Segundo dados de administradoras associadas à ABAC que atuam no setor de máquinas e implementos agrícolas, o número de consorciados era de 69,5 mil, em 2015, enquanto já são 116,3 mil, em 2019.

Do total de 116,3 mil de consorciados ativos registrados em maio, 60,6 mil eram pessoas físicas, que representaram 52,1%, enquanto as jurídicas, com 47 mil, significaram 40,4%. Os produtores rurais ficaram com 7,5%, somando 8,7 mil consorciados. Os consorciados de máquinas e implementos agrícolas representam 36,5% de todos os participantes do consórcio de veículos pesados, segmento no qual ele está inserido.

Divididos por região, a Sudeste ficou com o maior volume de participantes, com 36,1% ou 42 mil. Nas outras regiões, os percentuais e respectivos totais mostraram: Sul com 28,4% ou 33 mil consorciados; Centro-Oeste com 22,3% ou 25,9 mil; Nordeste com 7,7% ou 9 mil; e Norte com 5,5% ou 6,4 mil.

Com crédito médio de R$ 184,3 mil verificado em maio, o segmento apontou valores praticados entre R$ 60,1 mil e R$ 676,8 mil. Parcela significativa dos contemplados adquiriu tratores de rodas e esteira (40%), seguidos dos implementos agrícolas/rodoviários (30%). Na sequência, vieram as colheitadeiras (19%) e os cultivadores motorizados (11%).

Os prazos dos grupos variaram de 60 a 120 meses, com média de 114 meses. A taxa de administração média mensal praticada ficou em 0,110%.

Consórcio de máquinas agrícolas:
investimento a longo prazo


O consórcio atende àqueles que planejam comprar máquinas e equipamentos móveis e fixos com mais tecnologia embarcada e que proporcionem mais lucratividade. Devido às características especiais desses grupos, o investimento é feito a médio e longo prazos e sem comprometer os recursos dos consorciados.

Há quatro possibilidades de pagamento das parcelas no consórcio para máquinas e equipamentos agrícolas:

  1. Pagamentos normais;
  2. Pagamentos por safra – pagamentos anuais;
  3. Pagamentos por safra – adiantamentos – pagamento trimestral ou semestral; e
  4. Meia parcela (reforço trimestral ou semestral).

Posso usar o saque FGTS no consórcio ?

A autorização para trabalhadores realizarem o saque do FGTS e do PIS/PASEP vai injetar bilhões de reais na economia. Preparamos quatro dicas para ajudar os consorciados a utilizarem esse recurso no consórcio. Conheça!

A previsão do Governo Federal é que o saque do FGTS e do PIS/PASEP injetem R$ 42 bilhões na economia até o fim de 2020 – clique aqui para conhecer as regras. Em virtude do valor liberado para o FGTS, esses recursos têm maior potencial para contribuir com os consorciados que possuem cotas nos segmentos de eletroeletrônicos e outros bens móveis duráveis e serviços, em virtude dos tíquetes médios serem menores. Entretanto, caso o participante deseje, as dicas relacionados abaixo podem ser consideradas em todos os segmentos. Conheça!

Oferte lances

Ainda está aguardando contemplação? Nesse caso, uma boa destinação para seu saque do FGTS e do PIS/PASEP é ofertar lances. Você pode oferecer o valor integral ou até complementar sua reserva financeira para ofertar um lance maior. Caso seu lance seja vencedor, o valor ofertado será abatido do saldo devedor, dependendo das regras estabelecidas em contrato. Leia o post Tire suas dúvidas sobre lance.

Antecipe prestações

Com o valor obtido mediante, você pode amortizar seu saldo devedor. Existem três possibilidades, dependendo do que consta em contrato. São elas: ordem direta (valor antecipado quitando as prestações vincendas mais próximas), ordem inversa (quitando as prestações vincendas a contar da última), ou diluído nas parcelas (diminuindo o valor de todas as próximas parcelas mensais). Saiba mais em Como posso antecipar o pagamento do consórcio.

Complete o valor do crédito

Não é possível fazer alteração contratual para mudar o valor da carta de crédito após contemplação. Entretanto, se tiver mudado seus planos e pretender adquirir um bem de valor maior, você pode utilizar o saque do FGTS ou do seu PIS/PASEP para completar a sua carta de crédito. Leia Posso mudar o valor da carta de crédito?

Regularize sua situação

Caso o consorciado esteja em situação de inadimplência, a sugestão é aproveitar o valor sacado para fazer a regularização. Quitando as prestações em atraso, você volta a participar dos sorteios e garante sua contemplação, caso sua cota seja sorteada. Veja mais no postAtrasei a prestação do consórcio. E agora?

FGTS pode ser usado no consórcio?

A resposta para essa pergunta é SIM! Independente da política governamental de permitir o saque do FGTS, os recursos do fundo podem ser utilizados no consórcio. Isso poderá ser feito desde que você possua uma cota do consórcio imobiliário. Neste segmento, existem quatro possibilidades para utilização do saldo: oferta de lance, complementação da carta de crédito, pagamento de parte das prestações e liquidação de saldo devedor total ou parcial.

As regras para utilização do FGTS constam no Manual da Moradia Própria, disponibilizada pela Caixa. Nos posts abaixo, você fica sabendo um pouco mais sobre as formas de utilizar o FGTS no consórcio de imóveis.